Blog

Inverno no verão: mudança inevitável e necessidade de vigilância

Inverno no verão

por Michael Haehnel

Aqui no Nordeste, estamos saindo de um inverno excepcionalmente severo e longo. A mudança das estações é sempre fascinante para mim. Alguns dias, quando o ar quente colide com o frio, os ventos são desordenados. Parece que eles vão arrancar o tapume da nossa casa. E, com certeza, os ventos da primavera causam danos reais. Mas o inverno dá lugar ao verão no final.

Como eu ouço sobre as reações adversas às saídas de Charlie Bird e Matt Easton, estou entristecido. Vivendo fora do Oeste entre montanhas, eu começo a ouvir as coisas divertidas sem costume local. Então, no começo, estou exultante. Mas à medida que os relatos de reações negativas estridentes filtram seu caminho para o leste, a realidade se instala. Ainda há um longo caminho a percorrer.

As estações mudam e os ventos violentos sopram. Os ensinamentos santos dos últimos dias endossam a suspeita contínua contra qualquer mudança social que não tenha origem na Igreja. O que quer que apareça no cenário mundial sem a aprovação do profeta e do apóstolo deve ser “do mundo” e outra indicação do declínio geral da sociedade que leva à Segunda Vinda. A retórica nós versus eles se torna mais estridente.

Dando um passo atrás, tudo isso é bastante natural. As pessoas são avessos a qualquer coisa que ameace perturbar sua visão de mundo. Interrogar as crenças antigas há muitas vezes o mesmo que chamar uma vida inteira de decisões, ações e comportamentos em questão. As pessoas defenderão vigorosamente seus alicerces filosóficos. Eu mesmo já fiz tantas vezes no passado. Isso é natural. Mas isso não desculpa tal reacionismo.

O homem natural pode ser “inimigo de Deus”, mas isso não significa que nossas naturezas não sejam semelhantes a Deus. Outras escrituras usam as palavras “natureza” ou “natural” para descrever aspectos positivos de nossa existência. O que essa escritura salienta é que certos comportamentos e inclinações – como reações instintivas – geralmente são contrários aos desígnios de Deus. A resposta a esse tipo negativo de resposta natural é, como as escrituras apontam, ser “como criança, submissa, mansa, humilde, paciente, cheia de amor”. Podemos dizer “de mente aberta” ou “dispostos a sair da nossa zona de conforto”.

A verdade é que Deus nem sempre escolheu a Igreja como meio para provocar mudanças positivas no mundo. Às vezes, a Igreja está no final das mudanças, e não na vanguarda. O movimento dos direitos civis é um excelente exemplo. A inclinação natural para resistir a mudanças que não são iniciadas pela Igreja se desenrolou nesse processo.

Então vai agora. A sociedade está chegando à verdade de que gênero e sexualidade não se encaixam perfeitamente em caixas, que eles envolvem numerosas gradações, que eles podem ser fluidos e como os indivíduos respondem a seu próprio gênero e sexualidade é realmente uma questão de agência individual. O verão está chegando. O inverno não pode prevalecer. Nas latitudes da Igreja e outras ideologias que pensam da mesma forma, os ventos sopram furiosamente enquanto o ar frio da crença fora de moda encontra o ar quente da verdadeira humanidade. Estes são apenas paroxismos de medo e confusão, pois os indivíduos enfrentam a realidade de que aquilo em que acreditaram o tempo todo simplesmente não é verdade e não pode subsistir.

Os ventos passarão. Enquanto isso, vamos acompanhar um ao outro, de mãos dadas e oferecendo proteção. Os ventos, embora inevitáveis e indicativos dos bons tempos por vir, são perigosos. Podemos estar esperançosos, com certeza, mas o tempo de vigilância não passou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.