Blog

Homossexualidade e as Escrituras de uma perspectiva dos Santos dos Últimos Dias

O irmão Brus Leguás do Chile

Esta é uma obra do irmão Brus Leguás, que nos deu permissão para compartilhar com todos vocês. Por ser bastante extenso, o publicaremos por capítulos, sendo este o primeiro capítulo, com a introdução e um instantâneo do conteúdo do Antigo e do Novo Testamento.

Introdução

 

“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres; Ele me enviou para curar os quebrantados de coração, proclamar a liberdade aos cativos e à visão dos cegos, libertar os oprimidos e pregar um tempo de aceitação do Senhor “(Lucas 4: 18-19).

Após séculos de escravidão espiritual, lésbicas e gays estão se levantando para reivindicar a liberdade que pertence a cada discípulo de Jesus Cristo. No entanto, é incomum que um homossexual se sinta completamente livre, uma vez que, em geral, estão dobrados sob uma carga terrível de condenação religiosa. A “boa notícia” do Evangelho é realmente uma mensagem de renovação e reconciliação com Deus. Mas quase sempre, a Igreja moderna a apresenta como uma infeliz sentença de Deus aos homossexuais, negando-lhes tanto a habilidade de reverter sua homossexualidade como a possibilidade de consumi-la. Isso não está em harmonia com o espírito da mensagem de Cristo. Reconhecendo a tirania ideológica que as religiões exercem, Jesus deu as lésbicas, gays e todos um conselho valioso. “Vocês saberão a verdade”, disse ele, “e a verdade o libertará” (João 8:32).

O objetivo deste estudo é ajudar a todos os Santos dos Últimos Dias interessados em se livrar de certos equívocos sobre escrituras sagradas e amor pelo mesmo sexo. Não é uma tentativa de endossar a homossexualidade. É mais uma tentativa de salvar a autoridade das escrituras – uma autoridade que, obviamente, foi diminuída, pois é usada para condenar o que não é realmente condenado. A questão a ser considerada aqui é se não será verdade que, ao aceitar uma minoria sexual legítima, as escrituras encontram melhor cumprimento, a universalidade do Evangelho é aperfeiçoada e Deus é glorificado.

Uma análise das principais referências a homossexualidade na Bíblia

Minha crença e minha afirmação fundamental é que as escrituras, corretamente traduzidas e interpretadas, falam com autoridade. A verdade é eterna e imutável, mas nossa compreensão está em constante evolução. O que devemos fazer é interpretar as escrituras no contexto do tempo que as produziu e não através do filtro de nossos próprios preconceitos. Isso não pode ser feito sem conhecer a situação social e política do passado. Isso também exige examinar o idioma da tradução e o do original (quando possível), para que possamos determinar com precisão o que está sendo dito e o que não é.

Não podemos descartar a importância de uma abordagem histórico-crítica (hermenêutica) das escrituras. Qualquer interpretação que ignore o contexto histórico será tingida com nossas próprias idéias. Também precisamos usar o poder do raciocínio, imparcialidade e amor; para que possamos descobrir o verdadeiro significado moral em qualquer declaração. As escrituras costumavam ser usadas para justificar ideias absurdas ou imorais. Por exemplo, eles têm sido usados para afirmar que a terra deve ser plana porque tem quatro cordas ou “cantos” (Apocalipse 7: 1), que a escravidão tem aprovação divina (Efésios 6: 5-9), etc.

Se não fosse a tradição homofóbica do nosso tempo, poucas pessoas seriam encorajadas a condenar um fenômeno universal da natureza baseado em quão poucas as escrituras dizem sobre isso. Eu acredito que as escrituras nem sequer se referem ao fenômeno da homossexualidade. Em vez disso, eles descrevem coisas como a prostituição ritual masculina, a prostituição comum e a agressão fálica. As escrituras modernas (o Livro de Mórmon, Doutrina e Convênios e A Pérola de Grande Valor) ignoram completamente a homossexualidade. Nos mil anos de história do Livro de Mórmon, como a prática da homossexualidade pode ser desconhecida? E como é que o livro Doutrina e Convênios, escrito para a Igreja do nosso tempo, nem sequer identifica o que é suposto ser um pecado de magnitude? Os teólogos mormões ainda não descobriram a importância desse silêncio. Isso faz com que a Bíblia, com seus problemas de tradução e interpretação, seja a única fonte de condenação.

O Antigo Testamento

A Bíblia poderia ser uma condenação suficiente se se referisse à homossexualidade como a definimos hoje, mas parece referir-se a uma gama diferente de práticas que se relacionam apenas marginalmente com a homossexualidade ou não tem nada a ver com isso. Os profetas estavam familiarizados com a homossexualidade. Raphael Patai ressalta que era uma prática comum entre os hebreus (Patai, p.169). Os livros proféticos do Antigo Testamento, isto é, os escritos pelos próprios profetas, não mencionam nem condenam pessoas ou atos homossexuais. (Edwards, 64).

A atividade homossexual entre as mulheres não é proibida em Levítico ou em qualquer outro lugar na Bíblia (Romanos 1: 26-27 condena a conduta de certas mulheres e certos homens, mas na verdade não proíbe atos homossexuais). Possivelmente, os homens hebreus não deram muita importância às atividades eróticas femininas que não incluíam os homens. Eu acredito que esta omissão revela mais do que qualquer coisa o androcentrismo (a supremacia masculina) tão típico do tempo. Para mim, isso sugere persuasivamente que os textos foram alterados. A mentalidade hebraica sempre concebeu suas idéias em pares binários, ou seja, em pares análogos ou complementares. Se a intenção original era condenar a homossexualidade em geral, e não apenas a masculina, como é explicado que não existe uma referência análoga ao lesbianismo? Por outro lado, se a intenção era proibir a prostituição ritual dos homens, como em Deuteronômio 23: 17-18, a omissão das mulheres é razoável. Aqueles que foram aos templos e fizeram sexo com prostitutas  eram sempre homens. Nenhuma fêmea hebraica teria tido a liberdade ou a mobilidade para frequentar as prostibulos do templo, então não havia paralelo.

O Novo Testamento

É possível que Paulo, como Philo, tivesse pontos de vista anti-homossexuais, alinhando-se com o judaísmo helenístico. Se fosse esse o caso, ele teria visto a homossexualidade como um vício dos gentios, inextricavelmente ligado às crenças idólatras. Certamente, Paulo parece ser muito severo em várias opiniões, por exemplo, o comprimento adequado dos cabelos do homem, o papel das mulheres na Igreja, a escravidão e especialmente o sexo. O sexo era algo que Paulo, pessoalmente, sentiu que não precisava. Ele defendeu o celibato, para aqueles capazes de conter-se, como a melhor maneira de servir a Deus e se preparar para o fim do mundo, que ele viu como iminente (1 Coríntios 7: 7, 25-32).

Seja o que for, o que Paulo entendeu sobre a homossexualidade não veio de nenhum ensinamento do Salvador. A maior dificuldade em condenar a homossexualidade é que Jesus, a máxima autoridade no Evangelho, não disse nada adverso sobre o assunto. Seu silêncio é digno de nota quando se considera quão franco ele era sobre os pecados que ele achou censuráveis. Toda a atitude de Jesus em relação à sexualidade é curiosamente serena em contraste com a de Paulo (cujas epístolas, aliás, foram compostas antes da aparição dos Evangelhos escritos). Em seu requintado capítulo sobre Cristo e a sexualidade (pp. 110-126), Tom Horner observa que esta perspectiva nova e despreocupada é o resultado de estar espiritualmente livre da obsessão com o sexo, cuja importância é destacada pela indulgência excessiva ou por abstinência. Para reiterar o que Horner disse, o que o Evangelho pretende fazer é estabelecer uma atitude do coração que preferirá instintivamente uma conduta justa a uma injusta, liberando assim o espírito de qualquer preocupação com o legalismo.

No próximo capítulo deste estudo, vamos publicar o que o Antigo Testamento declara sobre a homossexualidade de forma mais ampla e analisando cada um dos versos que falam sobre esse assunto.

Para ler o estudo que publicamos anteriormente sobre a prostituição masculina que fala em Deuteronômio 23:17 segue o seguinte link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.