Rostos da Afirmação

Graças

Escrito por Thomas Palani Montgomery

Traduzido por Luiz Antonio Correa

Recentemente, tivemos uma reunião em volta da lareira em nossa casa. Não havia nenhum tópico específico, orador ou agenda. Simplesmente nós enviamos os convites e vieram 20 ou 30 pessoas. Muitos eram nossos amigos LGBT que vivem na área e alguns visitantes de fora do estado. Em um momento, todos nós  cada um de nós  nos apresentamos e compartilhamos um pouco de história.

No decorrer da reunião, me lembrei do meu filho Jordan, que é gay. Eu tinha recentemente se formado no colegial, eu estava observando uma fotografia dele e eu refleti: “Ele está feliz.” Que me levou a pensar sobre o longo caminho ele teve  que percorrer, a fim de chegar a esse estado; Também veio à minha mente a noção de que poderia ter sido se tivéssemos tomado decisões diferentes. Por um longo tempo sua vida tinha perdido o equilíbrio. Aquele sorriso foi enterrado sob um peso que esmagou sua alma.

Nossas escolhas durante esses cinco anos criaram um espaço para ele prosperar. Não há preço que eu não pagaria para ver esse sorriso.

À medida que os convidados andavam pela sala, outros ofereceram para contar sua história. Logo percebi um tema comum entre nosso  amigos LGBT. Cada um tinha atingiu um ponto crítico em sua vida onde o estresse e a supressão de sua identidade sexual eram tão graves que ameaçavam sua saúde mental ao ponto de experimentar idéias suicidas. Para alguns, a ilusão da família Mórmon ideal com uma esposa e filhos os fez fazer o melhor possível até o casamento, deixando-os com um vazio que os encheu de desespero. Eles fizeram tudo o que a Igreja lhes pedira para fazer. Eles realmente adoraram seus ex-cônjuges e filhos. Mas não foi suficiente. A maioria dos casamentos durou mais de uma década, às vezes duas, sem alívio ou mesmo com quem conversar.

Um amigo gay que tinha vivido esse cenário exato disse: “Minha esposa me culpa por arruinar o casamento, meus filhos mais velhos estão bravos q porque acham que machuquei sua mãe. Amanhã, vou ficar de pé e ver  meu sogro ordenando o sacerdócio para meus filhos de 16 e 12 anos. Uma vez que eu era um líder na Igreja e hoje ninguém me olha nos olhos. Todo mundo me vê como vilão. O Presidente da Estaca recentemente se encontrou comigo e deixou claro que se eu vivesse minha sexualidade livremente, minha família não seria selada “.

Outro amigo íntimo e sua esposa viverão o aniversário da morte de seu filho. Ele era um belo jovem gay que deu o o seu primeiro beijo em nosso filho alguns anos atrás. Quando fiquei sentado fora do Templo no casamento de um sobrinho no ano passado, vi o Jordan com este menino. Este menino maravilhoso lutou contra a rejeição de sua comunidade religiosa no coração de Utah. Mesmo o esforço corajoso de seus pais não foi suficiente para salvar sua vida.

Onde está Deus? Onde está Sua graça? A teologia do Plano da Felicidade – um plano feito para pessoas heterossexuais – não oferece felicidade se a pessoa não se encaixa no molde. Mal se você fizer isso, ruim se você não fizer isso.

A família é a base do mormonismo moderno. O Templo está cheio de simbolismo e promessas que se concentram em dizer as famílias são eternas. Em muitos aspectos, é o ponto culminante da crença e cultura mórmon. As famílias são para sempre. Dignos de um casamento no templo. Fazer o trabalho do templo vicário por seus antepassados que irá criar laços que durarão por toda a eternidade. Quando toda a família é “digna” e frequentar o templo, pode ser o auge da felicidade Mórmon. No entanto, se um membro da família é considerado indigno ou não pode entrar, ameaça o núcleo de uma família eterna. Assim, para alguns, o templo pode ser um lugar amargo e dividido. Enquanto para outros é o coração do que os une.

Cinco anos atrás, o terremoto teológico deixou uma ferida pela qual meu filho Jordan estava preocupado. E agora, a Política de Exclusão de novembro de 2015 afirma que meu filho nunca pisará no Templo. Minha família está quebrada em dois? Perdemos a nossa esperança de ser uma família eterna?

Quando olhei ao redor da sala durante a nossa pequena reunião naquela noite, percebi o quão  íntimo são esses laços de amizade, dor e comunidade. Nós estávamos escutando, chorando e amando.

Nos mesmos cinco anos que lutamos, percebi que as relações que nasceram durante esse período foram algumas das mais profundas e mais ricas da minha vida. Para cada Mestre familiar  ou professora visitante que tinha vindo à nossa porta fora da obrigação, nós tínhamos uma dúzia de pessoas que agora eram queridos amigos. Onde nos domingos chegamos e nos sentamos com perfeição, hoje nos sentamos com aqueles que amamos e ouvimos as coisas que dominam suas almas. Onde uma vez que ouvimos as mesmas lições uma e outra vez, hoje chegamos e ajudamos nossos irmãos a carregar seus fardos. Onde uma vez testificamos de um Plano de Felicidade, ouvimos, compartilhamos e lutamos para mitigar as dores do mundo.

E nossos corações se abrem…

Na Igreja, falamos da Expiação como um evento passado em que Cristo sofreu por nós. Regozijamo-nos que pagou por nossos pecados. No entanto, chegamos a um ponto onde nós criamos um estilo de vida pelo qual evitamos nossa própria dor e acreditam que o ato de obediência é o caminho para a vida eterna.

No entanto, a expiação é muito mais. É um momento vivo. Um momento em que duas almas se encontram. É quando uma alma que está sendo esmagada sob o peso de sua cruz é salva através dos instrumentos de Deus. Hoje, cada um de nós é um instrumento de graça divina, cujo propósito é ouvir as petições de nossos irmãos e irmãs, agindo de forma adequada, para aliviar seus fardos.

Cristo nos pede para alimentar suas ovelhas. Isso não é feito com discursos ensaidos e um padrão de engajamento. Isso é feito abrindo a porta da consciência ao sofrimento dos outros, ajudando-os como o Senhor os ajudaria.

Eu me deparei com esses pensamentos simplesmente abrindo meu coração e ouvindo os outros. De alguma forma, ver outro filho de Deus que está sofrendo, tornou nossa capacidade de compartilhar seus sentimentos ampliados. Quando me sentei em nossa pequena reunião e ouvimos a dor dos outros, vi o alívio, a paz e a comunidade começarem a se espalhar. Um grupo de almas dispostas a suportar os encargos dos outros. Como resultado, todas as nossas almas se alargaram.

De maneira tangível, a Expiação e graça de Cristo pode fluir através de nós.

O que aprendi é que esses laços intensos de compartilhar, ouvir e ser ouvidos são o alicerce de ser verdadeiramente selado a outra pessoa. Enquanto a cerimônia e o simbolismo do Templo podem nos direcionar para ser verdadeiramente selados, se não experimentarmos essas coisas e pagamos o preço por sentir esses laços, as palavras e a cerimônia estão vazias e inúteis.

Coloque-me como um selo em seu coração,

 

Como uma marca no seu braço,

 

Porque o amor é tão forte quanto a morte;

 

Suas brasas, brasas de fogo, chama poderosa

 

Cânticos de Salomão 8: 6

Os selos deixam uma marca ou marca permanente. Quando deixamos essas marcas nos corações daqueles que nos rodeiam, seus laços são tão fortes quanto a morte. A paixão e a intensidade desses laços são poderosas. Para os 99% do mundo que nunca entrarão em  um Templo Mórmon, eles serão selados aos que amam. Para as famílias LGBT que estão restritas a entrar no Templo, aqueles que amam com laços mais fortes que a morte também serão selados.

Enquanto um túmulo cruel pode ter tomado alguns dos nossos entes queridos, pela graça de Deus, estaremos com eles novamente, por enquanto hoje eles vivem dentro de nós. Eles deixaram seu selo em nossos corações. A paixão do nosso amor por eles continua a queimar.

Talvez possamos vislumbrar por que um Deus amoroso nos permitiu vir aqui conhecendo as dificuldades e o sofrimento que enfrentaremos. É inescapável que a dor é a nossa melhor professora. Estamos aqui para ser educados. Mas a graça que encontrei é que a dor não precisa se transformar em sofrimento.

A dor é inevitável.

 

O sofrimento é opcional.

 

Buda

 

Encontrei a maior alegria na vida ao ter relações profundas e significativas que transcendem. Relações que são expressões incondicionais de amor e esperança para nos tornar um eu melhor. Relacionamentos que nos tornam mais fortes e mais compassivos do que estamos sozinhos. Para mim, isso é graça. Esta é a essência de ser selado.

E está disponível para todos ..

.

* Escrito para minha esposa cujo amor queima como uma chama poderosa e deixou seu selo no meu coração.

 

* Escrito para os meus amigos George e Alyson Deussen têm mostrado que o amor é mais forte que a morte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.