Blog

A Homossexualidade e as escrituras da perspectiva SUD #3

O Novo Testamento

Escrituras hablan de homosexualidadÀ luz da evidência hermenêutica nas Escrituras-chave do Antigo Testamento, e à luz da superioridade jurídica do Evangelho sobre a Lei, vejamos agora a condenação da homossexualidade como aparece no Novo Testamento. Aqui também há muito poucas referências. Há cinco alusões à homossexualidade no Novo Testamento.Dois deles, Judas 7 e 2 Pedro 2: 2, podem ser imediatamente descartados porque não mencionam atos homossexuais, mas devem ser inferidos do suposto vínculo entre Sodoma e o assunto da homossexualidade. O que resta são três passagens muito tristes das epístolas de Paulo (se atribuirmos a autoria de 1 Timóteo a Paulo); um é Romanos 1: 26-27 e os outros são 1 Coríntios 6: 9-10 e 1 Timóteo 1:10.

Examinemos Romanos 1:26-27:

«Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro» (Romanos 1:26-27).

O contexto desta passagem é o grande sermão de Paulo sobre a preeminência da fé sobre as obras. Começa com uma denúncia tradicional da idolatria e suas conseqüências malignas. Para que a denúncia seja efetiva, é necessário que o leitor concorda com Paulo na aversão judaica contra a idolatria. Paulo faz o leitor julgar os idólatras “que [voluntariamente] mudaram a verdade de Deus ao mentir” para que ele pudesse então julgar o mesmo leitor no capítulo dois dos romanos. Em Romanos 2: 1, Paulo muda da terceira pessoa para a segunda pessoa e acusa o leitor do mesmo pecado. Tudo isso serve a função retórica de colocar o leitor (um típico judeu judeu [ver verso 17]), culpa e subsequente libertação através da fé (Edwards, p. 94).

Se a função de Romanos 1 é fazer um apelo retórico, é difícil ver como isso pode ser ao mesmo tempo uma exposição de doutrina que poderia confundir o leitor. Paulo não está emitindo um edito, mas fazendo um apelo à sabedoria convencional do leitor. Nos versículos 26 e 27, ele argumenta que certos homens e mulheres idólatras mudaram seus papéis na “relação natural” heterossexual por papéis homossexuais. A lógica exige que primeiro se deve possuir algo antes de mudá-lo para outra coisa. Se insistimos em que Paulo está se referindo a lésbicas e gays, que são, por natureza, dispostos psiquicamente ao mesmo sexo, colocamos o apóstolo em conflito com a psicologia moderna, o que diz que a orientação sexual é um presente e não uma eleição (Marmor, página 125). Assim interpretado, a autoridade do argumento colapsa, porque uma condenação justa só pode ser o resultado de uma escolha livre.

Além disso, a conexão de Paulo com a idolatria é inteiramente intencional. Sabemos que a psique homossexual não é causada pela idolatria, mas Paulo atribui à idolatria uma longa lista de males, incluindo o que aparece nos versículos 26 e 27. Em vez de atribuir a Paulo este absurdo teológico, prefiro dar-lhe a benefício da dúvida. É mais razoável supor que ele estava se referindo à prostituição ritualística, ainda preponderante em seu dia, ou simplesmente aos heterossexuais que participaram de um ambiente cultural que incluía a luxúria idólatra e homossexual.

Em 1 Timóteo 1: 9-10, somos apresentados a uma lista de trabalhadores do mal:

«Sabendo isto, que a lei não é feia para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os  profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas. Para os fornicadores, para os sodomitas, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros, e par ao que for contrário à sã doutrina».

homosexualidadO objetivo é mostrar que a Lei foi criada para os infratores semelhantes aos que são mencionados, não para homens justos. De interesse para nós é a palavra arsenokoitais, traduzida na versão de Reina-Valera (1995) como “sodomitas”. Este termo, que também ocorre em 1 Corinthians 6: 9, apresenta um problema etimológico. O arsênico da raiz refere-se aos homens, e a raiz koitai se refere à prática sexual. Mas não está claro se o “homem” ao qual ele se refere é o penetrador ou o penetrado. Se a primeira coisa deve ser entendida, a palavra não descreve todos os atos homossexuais.

Essa ambiguidade poderia ser resolvida por um exame do uso normal da palavra na literatura do tempo, mas infelizmente a palavra é extremamente rara. Boswell acredita que o arsenokoitai é o equivalente ao Drauci Latin, caso em que poderia denotar prostitutos masculinos que assumiram papéis ativos tanto com homens como com mulheres (Boswell, pp. 341-353).

Seja como for, a palavra estava definitivamente ligada a algum tipo de prostituição praticada em Éfeso e Corinto, e não pode se referir a atos homossexuais em geral. Se Paul tivesse em mente uma condenação geral, sem dúvida teria escolhido uma palavra (ou palavras) de ampla aplicabilidade aos homossexuais, assim como Philo, um judeu helenístico contemporâneo de Paulo, que escreveu uma condenação geral dos atos homossexuais próprios (Boswell, página 341).

Voltando a 1 Coríntios 6: 9-10, lemos:

«Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idolatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.».

O problema com este texto também envolve a tradução de duas palavras gregas usadas para descrever os malfeitores, malakoi e arsenokoitai. A versão Reina-Valera de 1995 lê “afeminado” e “homossexual”, respectivamente. Boswell diz que Malakoi significa “macio”, ou, por extensão, “moralmente fraco” (pessoa). Obviamente, a extensão de tal termo não se limita aos homossexuais. Boswell argumenta persuasivamente que Malakoi nunca é usado em grego para se referir a homossexuais ou pessoas gays (Boswell, 107). É claro que Paulo estava escrevendo para uma congregação de língua grega.

Outros estudiosos pensam que existe um precedente para traduzir este termo como “catamitas” ou o casal passivo em um ato homossexual. Uma vez que arsenokoitai se refere à parte ativa e connote a prostituição, postulou-se que, ao combinar esses termos, a prostituto masculino e seus clientes são sugeridos. Isso se encaixaria no que se sabe sobre a prostituição como uma instituição em expansão no tempo de Paul (Horner, pp. 90-91). Então, as objeções de Paulo provavelmente foram dirigidas contra a perversão do amor e a venda do sexo. Seja qual for a intenção original, as palavras neste texto tornaram-se muito ambíguas para serem traduzidas com precisão.

Considerações finais dos escritos de Paulo:

É possível que Paulo, como Philo, tivesse pontos de vista anti-homossexuais, alinhando-se com o judaísmo helenístico. Se fosse esse o caso, ele teria visto a homossexualidade como um vício dos gentios, inextricavelmente ligado às crenças idólatras.

Certamente, Paulo parece ser muito severo em várias opiniões, por exemplo, o comprimento adequado dos cabelos do homem, o papel das mulheres na Igreja, a escravidão e especialmente o sexo. O sexo era algo que Paulo, pessoalmente, sentiu que não precisava. Ele defendeu o celibato, para aqueles capazes de conter-se, como a melhor maneira de servir a Deus e se preparar para o fim do mundo, que ele viu como iminente (1 Coríntios 7: 7, 25-32).

Isso não entra em conflito com os ensinamentos  Mórmon sobre a importância do casamento e das crianças?

Obviamente, é possível ser um profeta inspirado e ainda manter certas opiniões pessoais sobre questões importantes. Tais opiniões podem ser expressas publicamente, e no caso de Paulo, elas podem até ser canonizadas.

Mas, para fazer justiça a Paulo, deve-se lembrar que suas admoestações foram sempre adaptadas às preocupações especiais das congregações a que ele estava abordando. Se fossem perfeitamente compreendidos em Corinto e em Éfeso, eles não poderiam ser entendidos em outro lugar. Paul certamente não tinha ideia de que suas cartas seriam colocadas em um cânone que as gerações futuras usariam para julgar questões como a homossexualidade. Se o fizesse, sua abordagem provavelmente teria sido diferente.

Jesus Cristo

Seja o que for, o que Paulo entendeu sobre a homossexualidade não veio de nenhum ensinamento do Salvador. A maior dificuldade em condenar a homossexualidade é que Jesus, a máxima autoridade no Evangelho, não disse nada adverso sobre o assunto. Seu silêncio é digno de nota quando se considera quão franco ele era sobre os pecados que ele achou censuráveis.

Toda a atitude de Jesus em relação à sexualidade é curiosamente serena em contraste com a de Paulo (cujas epístolas, aliás, foram compostas antes da aparição dos Evangelhos escritos).

Em seu requintado capítulo sobre Cristo e a sexualidade (pp. 110-126), Tom Horner observa que esta perspectiva nova e despreocupada é o resultado de estar espiritualmente livre da obsessão com o sexo, cuja importância é destacada pela indulgência excessiva ou por abstinência. Para reiterar o que Horner disse, o que o Evangelho pretende fazer é estabelecer uma atitude do coração que preferirá instintivamente uma conduta justa a uma injusta, liberando assim o espírito de qualquer preocupação com o legalismo.

Esta nova perspectiva é evidente quando Jesus cura o servo do centurião (Mateus 8: 5-13, Lucas 7: 1-10). Como Horner observa astutamente, é extremamente inadequado para um oficial romano demonstrar tal preocupação por um mero escravo, a menos que se veja a presença de um relacionamento amoroso de algum tipo. Lucas usa a palavra doulos ou “escravo”, mas Mateus, mais próximo do aramaico falado naqueles dias, escolheu um país ou filho [de serviço]. Pais é a palavra que um homem mais velho usaria para descrever um jovem amigo ou amante em grego (Horner, 122). Eu acho que é um exemplo típico (pelo menos na aparência externa) de uma espécie de relação homoerótica que era comum em todo o Império Romano entre pessoas de status desigual. O que torna a história relevante é que o centurião, em solidariedade com os judeus, mostrou enorme fé em um profeta judeu. Jesus não encontrou nada para condenar na ação do centurião, mas muito para louvar.

Esta é uma obra do irmão Brus Leguás, que nos deu permissão para compartilhar com todos vocês. Porque é bastante extenso, vamos publicá-lo por capítulos, sendo este o capítulo três, com especial atenção aos versículos que falam sobre homossexualidade no Novo Testamento.

No próximo capítulo deste estudo, vamos publicar o que a Igreja SUD ensina sobre a homossexualidade e como esses ensinamentos estão mais em consonância com a posição cultural moderna do que com o espírito das escrituras.

 

A primeira parte deste estudo:

https://afirmacion.org/la-homosexualidad-y-las-escrituras-desde-una-perspectiva-santo-de-los-ultimos-dias/

A segunda parte:

La homosexualidad y las escrituras desde una perspectiva SUD #2

Uma análise de Deuteronômio 23:17 

Sodomita y Consagrado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.